Após tomar canabidiol, menina que tinha crises convulsivas volta à escola

Com o medicamento, Mariana Vargas Bascyzn não tem convulsões há dias. Família lutou na Justiça para garantir direito de receber o remédio.

Após tomar canabidiol, menina que tinha crises convulsivas volta à escola A família de uma menina de nove anos que ganhou na Justiça o direito de receber um remédio de uso restrito comemora as mudanças na rotina através do uso do medicamento. Diagnosticada com Síndrome do Córtex Duplo, Mariana Vargas Bascyzn está tomando canabidiol, substância extraída da maconha, e já consegue até ir à escola. A criança, que sofre de crises epilépticas, chegou a ter 36 convulsões por dia. Porém, diante da mobilização de amigos e familiares, foram compradas algumas injeções. Há mais de 20 dias, ela não sofre com os transtornos da doença. A família ainda aguarda, porém, a ajuda do governo estadual. O dinheiro para a medicação já está garantido. Mas o medicamento é importado, e as farmácias internacionais precisam passar um orçamento, que ainda não veio. Além disso, o pagamento é feito em dólar e o valor pode mudar de um dia para o outro, de acordo com o câmbio. São detalhes que acabam dificultando a compra com o dinheiro público. “O avô dela comprou o canabidiol. Compramos quatro seringas, com a ajuda de amigos”, conta a avó, Terezinha Silva Vargas. “Está há 22 dias sem convulsões. O doutor ficou admirado, nem dá para acreditar”, completa. “Hoje tem prova [na escola]”, comemora a menina. Mariana ainda tem a fala prejudicada, mas, segundo a avó, é por conta de outros remédios. Na escola, ela recebe a ajuda de amigas para estudar. “Eu que ajudo a Mari”, grita entusiasmada uma criança. Os funcionários também comemoram o retorno de Mariana. A professora Anelise Silva acredita que a presença dela em sala de aula melhora o ambiente escolar. “É a convivência com ela, a força que ela traz para todo mundo. Fiquei bastante feliz com a sua volta. Ela me disse que tinha que ser forte, que tinha que ir até o fim”, relembra Anelise, emocionada. Muita polêmica envolveu a entrada do canabidiol no país. Entretanto, especialistas confirmam que, se utilizado com finalidade medicinal, pode dar nova vida ao tratamento das pessoas. Em janeiro, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso do canabidiol como medicamento. A causa da doença de Mariana é uma má-formação cerebral. No dia 30 de março deste ano, o médico alertou que a interrupção do tratamento com canabidiol pode causar crises refratárias e mesmo e morte súbita associada à epilepsia. Por isso, a família correu contra o tempo. Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *