Category Archives: Psiquiatria

Ataques de pânico: o que fazer durante uma crise de ansiedade?

Algumas atitudes e pensamentos podem ajudar o paciente durante o ataque

big_9ab8e9d9bf6cfc116b57ddcb7813da43

Os ataques de pânico são mais frequentes em pessoas portadoras de transtornos de ansiedade, como a síndrome do pânico e o transtorno de ansiedade generalizada, pois o pânico pode ser compreendido como um levar a ansiedade a limites extremos. Se fizermos uma pequena reflexão, a ansiedade também está relacionada com a antecipação de eventos que irão acontecer, principalmente com a possibilidade de “resultados ruins acontecerem” com o medo das coisas darem errado. Há então uma íntima relação entre ansiedade e pânico.

A frequência dos ataques de pânico irá depender de inúmeras variáveis, que didaticamente podemos reduzir a situações de ameaça: ameaças externas à integridade do indivíduo e ameaças internas (orgânicas, não raro desconhecidas ou não percebidas pelo paciente).

O pânico ocorre principalmente em pessoas de 14 a 45 anos e é mais frequente em mulheres do que homens, em uma proporção de 2 para 1. Produz grau elevado de incapacitação. 90% dos pacientes com pânico acreditam terem uma doença física na seguinte distribuição:

  • 10% queixas gastrointestinais
  • 15% desordens vestibulares, como vertigens e labirintoses
  • 16% queixas cardiológicas
  • 35% queixas de hiperventilação
  • 30% queixas psíquicas.

O que fazer quando percebe que está tendo um ataque de pânico?

É muito importante não tentar lutar contra o pânico, pois este não é um mecanismo consciente, ele é decorrente de mecanismos automáticos cerebrais localizados em regiões automáticas ou não conscientes. Faz parte de um complexo sistema de defesa do organismo.

Mas a pessoa pode tomar algumas ações:

Recorrer a técnicas de relaxamento, como meditação ou preces, por exemplo
Usar qualquer técnica de distração como uma conversa suave, música suave, palavras que acalmem, massagem em regiões do corpo que produzem relaxamento
Controlar da respiração.
O controle da respiração, principalmente, é muito importante: inspirar lentamente e expirar lentamente, sem pressa. Em seguida, é recomendado o relaxamento de grupos musculares mais tensos (ir relaxando a face, a nuca e pescoço, os ombros, os braços, o tórax e assim sucessivamente). Um terceiro passo seria acomodar-se em local agradável, bem ventilado com vista o mais aberta possível e evitar locais fechados e abafados, afrouxar as roupas, sentir-se o mais confortável possível.

Além disso, os pensamentos no momento do ataque são muito importantes. A matriz do pânico é o medo, e um medo incontrolável. Só quem já passou por um ataque de pânico entende o que estou escrevendo. É difícil conter esses pensamentos, por isso escrevemos todas as medidas anteriores para evitar os piores pensamentos. Dentre os piores temos o medo de morrer, o medo de perder o controle, a certeza de que algo muito ruim realmente irá acontecer, a certeza de que realmente estou muito doente e ninguém descobre ou me leva a sério, pois as sensações são reais.

Os pensamentos que devem ser priorizados nesses momento são aqueles que nos afastam do medo: a certeza lógica que é só uma ataque de pânico do qual não tenho controle, mas que irá passar; a fé de que nada me acontecerá de mal, a coragem para enfrentar situações adversas (“já passei por coisas piores e sobrevivi, vou sobreviver a esta também” – novamente a lógica tentando se impor sobre o “tsunami” ilógico do medo); tentar não ter medo do medo, e sim aprender com o medo. O medo existe para nos defender de algo e não para nos escravizar. O medo é nosso aliado e não nosso inimigo.

Quero acrescentar que essas são medidas imediatas e paliativas, até que a pessoa possa procurar um especialista competente, pois somente com o uso de medicamentos especializados pode-se tratar adequadamente uma síndrome de pânico.

Fonte: Minha Vida

FDA aprova Vraylar (cariprazine) para tratar esquizofrenia e transtorno bipola

vraylar

O regulador de saúde norte-americano (FDA) aprovou o medicamento Vraylar (cariprazine) em cápsulas para tratar a esquizofrenia e o transtorno bipolar em adultos.

A eficácia do Vraylar no tratamento da esquizofrenia foi demonstrada em três ensaios clínicos que avaliaram 1754 participantes ao longo de seis semanas. Em cada um dos ensaios, o Vraylar reduziu os sintomas da esquizofrenia em comparação com o placebo.

A eficácia do Vraylar no tratamento do transtorno bipolar foi mostrada em três ensaios clínicos de três semanas com 1037 participantes, onde o medicamento se revelou eficaz na redução dos sintomas da doença.

 

Fonte

Anvisa facilita importação de medicamento com derivado da maconha

Agência deixará de exigir nova autorização para cada importação, exigindo apenas um cadastro com renovação anual; hoje, famílias têm de apresentar um requerimento a cada pedido

16122014094218