Monthly Archives: setembro 2014

Justiça obriga poder público a fornecer tratamento a paciente com câncer

Maranhão, Piauí e Teresina terão que bancar tratamento homem com câncer de próstata.

A Justiça Federal no Piauí, em sentença proferida pelo juiz federal titular da 8ª Vara Federal, Daniel Santos Rocha Sobral, condenou a União Federal, o Estado do Piauí, o Estado do Maranhão e o Município de Teresina a custear todo o tratamento do paciente L. P. da S., que sofre de neoplasia maligna na próstata, de forma gratuita e continuada.
O autor da ação buscou provimento que lhe assegure a imediata assistência médico-hospitalar a fim de combater a doença que lhe acomete, bem como a sua inclusão no Programa de Tratamento Fora do Domicílio (TFD).

Embora a União e os Estados do Piauí e Maranhão tenham argumentado como obstáculo à pretensão autoral, ilegitimidade passiva, o magistrado destacou que a Constituição Federal estabelece, em seus artigos 196 e 198, que a saúde é direito de todos e dever do Estado, do qual não pode se furtar em qualquer de suas esferas federativas.

Em seu texto decisório, o juiz federal Daniel Santos Rocha Sobral ressaltou ainda que “a situação em exame, além de ferir direito social garantindo constitucionalmente, possui caráter discriminatório, consubstanciando-se em clara ofensa ao princípio da igualdade, também previsto na Constituição Federal”. Dessa forma, determinou que o Estado do Maranhão custeie as despesas com transporte e hospedagem do autor e acompanhante, necessárias à realização do tratamento fora do domicílio do paciente, sob pena de cominação de multa. E no caso de o tratamento efetivamente se realizar em Teresina, deverá a União Federal repassar o respectivo recurso para o Estado do Piauí.

Fonte: Portal O Dia

No Dia Mundial do Coração, OMS pede redução no consumo de sal

No Dia Mundial do Coração, comemorado nesta segunda-feira (29), a Organização Mundial da Saúde alerta os países sobre o consumo excessivo de sal. Segundo a Organização, reduzir a ingestão de sal em 30% até 2025 pode ajudar a salvar milhões de vidas, com a diminuição de doenças do coração e de casos de acidente vascular cerebral, AVC.

head_heart_health_for_business

 

No Dia Mundial do Coração, comemorado nesta segunda-feira (29), a Organização Mundial da Saúde alerta os países sobre o consumo excessivo de sal. Segundo a Organização, reduzir a ingestão de sal em 30% até 2025 pode ajudar a salvar milhões de vidas, com a diminuição de doenças do coração e de casos de acidente vascular cerebral (AVC).

As doenças crônicas são as principais causas de mortes prematuras do século 21, de acordo com a agência. A Rádio ONU ouviu o médico do Hospital Oswaldo Cruz e integrante do Instituto Lado a Lado pela Vida.

De São Paulo, Marcelo Sampaio explicou como o consumo excessivo de sal afeta a saúde do coração. “Toda vez que o sal em excesso entra no nosso organismo, ele pode se alojar em determinados órgãos e provocar reações. O conteúdo de sal, de sódio na parede arterial é um dos determinantes da hipertensão. Pessoas que têm insuficiência cardíaca, ao consumirem sal excessivo, vão reter água. Essa água pode ir para os pulmões, para a barriga, para as pernas, determinando um edema generalizado e mais gravemente, um edema agudo de pulmão”, explicou.

A OMS destaca que em muitos países, 80% da ingestão de sal vêm de comidas processadas como pães, queijos, frios, molhos industrializados, e refeições prontas para o consumo.

Em média, uma pessoa consome 10 gramas de sal por dia, o dobro do recomendado pela OMS. Crianças entre 2 e 15 anos devem consumir menos do que 5 gramas.

Fonte: Portugal Digital

Detecção mais precoce do câncer de mama

Uma ”pele” eletrônica ultrassensível é a nova arma desenvolvida por pesquisadores Universidade de Nebraska (EUA) para detectar tumores no seio, mesmo os pequenos e profundos.

Faltando apenas a aprovação para utilização clínica, o sensor possibilita um diagnóstico mais precoce do câncer de mama, o mais comum entre as mulheres e o segundo mais frequente no mundo.

Com o novo equipamento é possível detectar caroços com tamanho inferior a 10 milímetros, quando a chance de sobrevivência da paciente são maiores de 94%. No sistema tradicional de detecção de câncer no seio, a apalpação, os caroços só são detectados quando têm mais de 21 milímetros.

O mecanismo desenvolvido tem pressão semelhante ao toque humano durante a apalpação, o que tira bastante o desconforto do exame feito com equipamento tradicional de mamografia. E ainda diferencia se é o caroço é maligno ou benigno.

Fonte: Blog da Saúde

Bahia confirma casos de chikungunya e intensifica combate a mosquitos

Após confirmar cinco casos de chikungunya no município de Feira de Santana, a Secretaria de Saúde da Bahia está intensificando as ações de controle na tentativa de combater os vetores da doença – os mesmos mosquitos que transmitem o vírus da dengue.

As ações preventivas incluem a busca ativa de casos suspeitos e a intensificação do trabalho de campo por meio de nebulização do inseticida UBV, processo conhecido como fumacê. Também está sendo feita a eliminação de criadouros do mosquito. Ainda segundo o governo baiano, as secretarias municipais de Saúde já foram orientadas a ficar em alerta para a ocorrência de casos da doença.

Em nota divulgada na última terça-feira (16), o Ministério da Saúde confirmou os dois primeiros casos de transmissão do chikungunya no território brasileiro. Um homem de 53 anos e a filha, de 31 anos, que moram em Oiapoque, no Amapá, perceberam os sintomas da doença nos dias 27 e 28 de agosto e passam bem.

A pasta confirmou ainda 37 casos da doença identificados no país, mas todos contraídos no exterior e desenvolveram os sintomas no Brasil.

Assim como a dengue, a febre chikungunya é transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictos, mas só tem um sorotipo, ou seja, cada pessoa só pega a doença uma vez. Os sintomas são os mesmos da dengue: dor de cabeça, febre, dores musculares e nas articulações e podem durar de três a dez dias.

Fonte: Portal Uol

FDA aprova Keytruda, nova droga que usa o sistema imunitário do corpo para atacar células cancerosas

image-116375856

Doutora Jonette Keri, dermatologista da Universidade de Miami School of Medicine, examina paciente com sintomas de câncer de pele. O FDA aprovou uma nova droga, Keytruda, que permite que o sistema imunológico ataque as células cancerosas.

A FDA concedeu aprovação para um novo medicamento contra o câncer que usa o próprio sistema imunológico do organismo para combater tumores, esse é o primeiro do que se espera ser uma nova gama de medicamentos que pode revolucionar a forma como alguns tipos de câncer são tratados.

Laboratórios deixam de exigir jejum para exame de sangue

Laboratórios começam, aos poucos, a não exigir o jejum dos pacientes para a realização da maioria dos exames laboratoriais.

Cinco hábitos que fazem você parecer mais velho

Fazer dieta

balanca

EUA aprovam novo tratamento injetável contra diabetes tipo 2

Medicamento faz parte de classe de remédios que estimulam o pâncreas a produzir mais insulina

Diabetes tipo 2: pacientes precisam controlar os níveis de glicose no sangue (Thinkstock/VEJA)

Diabetes tipo 2: pacientes precisam controlar os níveis de glicose no sangue (Thinkstock/VEJA)

O FDA (Food and Drug Administration), agência reguladora dos Estados Unidos, aprovou um novo tratamento contra o diabetes tipo 2. Trata-se de um medicamento injetável que faz parte de uma nova classe de drogas chamada GLP-1, cuja ação consiste em estimular o pâncreas a produzir maiores quantidades de insulina após as refeições.

Conheça o passo-a-passo de como aplicar o EpiPen®

Já fizemos uma postagem aqui sobre como utilizar o EpiPen®. Agora vamos mostrar o passo-a-passo da aplicação.

Uma pessoa que tem uma reação alérgica grave pode morrer se suas vias aéreas incharem e se fecharem. Essa reação pode ocorrer devido a picadas ou mordidas de inseto, comida, remédios, látex, exercícios, ou até por alguma causa desconhecida. Feito corretamente, o uso a tempo de uma seringa de adrenalina auto-injetável pode salvar a vida da pessoa.

670px-Use-an-Epipen-Step-1

Adoçantes podem elevar intolerância à glicose e risco de diabetes

Substância alteraria o equilíbrio de bactérias intestinais responsáveis pelo metabolismo

Quem consome adoçante tende a engordar mais do que quem come açúcar por uma questão de metabolismo. - Simone Marinho / Agência O Globo

Quem consome adoçante tende a engordar mais do que quem come açúcar por uma questão de metabolismo. – Simone Marinho / Agência O Globo

Longe de ajudar no emagrecimento, adoçantes para bebidas como o café podem aumentar a intolerância à glicose e o risco de diabetes. A conclusão faz parte de um estudo publicado na revista “Nature”.

Médicos conseguem curar câncer com vírus modificado do sarampo

thumb-210553-medico-resized

Pesquisadores de Minnesota, nos Estados Unidos, conseguiram acabar com o câncer de sangue de uma mulher injetando-lhe uma dose cavalar de uma cepa geneticamente modificada do vírus do sarampo, informou a Clínica Mayo em um estudo ao qual a Agência Efe teve acesso nesta quinta-feira.

FDA aprova Keytruda para melanoma avançado

 Primeira droga bloqueadora de PD-1 recebe aprovação do órgão.

post

A Food and Drug Administration (FDA) aprovou a Keytruda (pembrolizumab) para o tratamento de pacientes com melanoma avançada ou irressecável, que não responda a outras drogas.

O melanoma, que representa 5% de todos os câncer nos Estados Unidos, e se refere a células chamadas de melanócitos que produzem o pigmento da pele, chamado de melanina. A melanina é responsável pela cor da pele e dos cabelos. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer, cerca de 76.100 americanos serão diagnosticados com melanoma e 9.710 morrerão da doença este ano.

Keytruda é o primeiro medicamento aprovado que bloqueia um caminho celular conhecido como DP-1, o que impedia o sistema imunitário do corpo de atacar as células de melanoma. Keytruda é para uso a seguir ao tratamento com ipilimumab, um tipo de imunoterapia. Para os doentes com melanoma cujos tumores expressam uma mutação genética chamada BRAF V600, Keytruda é para uso após tratamento com ipilimumab e um inibidor de BRAF, uma terapia que bloqueia a atividade de mutações no gene BRAF.

“Keytruda é o sexto tratamento para melanoma aprovado desde 2011, resultado dos avanços promissores na pesquisa sobre melanoma”, disse Richard Pazdur, MD, diretor do Escritório de Hematologia e Oncologia Produtos no Centro do FDA para Avaliação e Pesquisa de Drogas. “Muitos desses tratamentos têm diferentes mecanismos de ação e trazem novas opções para pacientes com melanoma.”

Os cinco aprovações do FDA prévias para melanoma incluem: ipilimumab (2011), o peginterferão alfa-2b (2011), vemurafenib (2011), dabrafenib (2013), e trametinib (2013).

A FDA concedeu a Keytruda a designação de terapia avançada, pois o patrocinador demonstrou através evidência clínica preliminar que a droga pode oferecer uma melhoria substancial em relação às terapias disponíveis. Ele também recebeu revisão prioritária e designação de produto órfão. Revisão prioritária é concedida às drogas que têm o potencial, no momento em que o pedido foi apresentado, para ser uma melhoria significativa na segurança ou eficácia no tratamento de uma doença grave. Designação do produto órfão é dada para drogas destinadas ao tratamento de doenças raras.

A ação da FDA foi feita no âmbito do programa de aprovação acelerada da agência, que permite a aprovação de um medicamento para tratar uma doença grave ou com risco de vida com base em dados clínicos que mostram a droga tem um efeito sobre um desfecho razoavelmente provável para prever o benefício clínico aos pacientes. Este programa prevê o acesso do paciente mais rápido a novas drogas promissoras, enquanto a empresa realiza estudos clínicos confirmatórios. Uma melhora na sobrevida ou sintomas relacionados com a doença ainda não foi estabelecida.

A eficácia do Keytruda foi testada em 173 participantes de ensaios clínicos com melanoma avançado, cuja doença progrediu após tratamento prévio. Todos os participantes foram tratados com Keytruda, quer na dose recomendada de 2 miligramas por quilograma (mg / kg) ou com uma dose mais elevada de 10 mg / kg. Na metade dos participantes que receberam Keytruda na dose recomendada de 2 mg / kg, cerca de 24% tiveram seus tumores encolhidos. Este efeito durou pelo menos 1,4-8,5 meses e continuou para além deste período, na maioria dos pacientes. Uma porcentagem similar de pacientes tiveram seus tumores encolhidos com 10 mg / kg.

A segurança da Keytruda foi estabelecido na população do ensaio de 411 participantes com melanoma avançado. Os efeitos secundários mais comuns do Keytruda foram fadiga, tosse, náusea, coceira na pele (prurido), erupção cutânea, perda de apetite, constipação, dor nas articulações (artralgia) e diarréia. Keytruda também tem o potencial para efeitos secundários mediados por imunológicas graves. Nos 411 participantes com melanoma avançado, efeitos colaterais graves mediada pelo sistema imunológico que envolvem órgãos saudáveis, incluindo o pulmão, cólon, glândulas produtoras de hormônios e fígado, ocorreram pouco frequentemente.

Solicite uma cotação deste medicamento aqui

Brasil registra primeiros casos de transmissão de chikungunya

Ministério da Saúde confirmou nesta terça-feira diagnóstico em dois pacientes do Amapá que não fizeram viagens recentes ao exterior

Chikungunya: casos foram confirmados na cidade de Oiapoque, no Amapá (James Gathany/PHILL, CDC/VEJA)

Chikungunya: casos foram confirmados na cidade de Oiapoque, no Amapá (James Gathany/PHILL, CDC/VEJA)

Vacina experimental contra ebola não gerou efeitos adversos em teste com humanos

Resultado alimenta esperanças na busca de um medicamento contra o vírus

Dr. Anthony Fauci, right, the director of the National Institute of Allergy and Infectious Diseases testifies before the Senate Appropriations Subcommittee on Labor, Health and Human Services, and Education joint hearing on, "Ebola in West Africa: A Global Challenge and Public Health Threat," on Capitol Hill in Washington, Tuesday, Sept. 16, 2014. (AP Photo/Susan Walsh) - Susan Walsh / AP

Dr. Anthony Fauci, right, the director of the National Institute of Allergy and Infectious Diseases testifies before the Senate Appropriations Subcommittee on Labor, Health and Human Services, and Education joint hearing on, “Ebola in West Africa: A Global Challenge and Public Health Threat,” on Capitol Hill in Washington, Tuesday, Sept. 16, 2014. (AP Photo/Susan Walsh) – Susan Walsh / AP

Planos de saúde: saiba como garantir seus direitos

Sete em cada dez reclamações registradas na ANS contra operadoras de planos de saúde no ano passado estavam relacionadas à cobertura. Veja quais foram as principais queixas e como agir

Se for preciso, o paciente deve recorrer à Justiça para assegurar o tratamento (Thinkstock)

Se for preciso, o paciente deve recorrer à Justiça para assegurar o tratamento (Thinkstock)

Pimenta protege o coração e ajuda a dieta, entre outros benefícios

Conhecidas por seu poder afrodisíaco e gosto ardido, as pimentas fazem o maior sucesso no prato dos brasileiros e vira e mexe aparecem como protagonistas de mais um novo estudo sobre seus benefícios para a saúde.

Além de melhorarem a digestão, elas protegem o organismo contra alguns tipos de câncer e fazem seu corpo queimar gordura, reduzindo os níveis de colesterol, porém, quando consumida em excesso, podem comprometer a saúde do aparelho digestivo.

“A pimenta tem muitas vitaminas e antioxidantes importantes para o organismo, mas quem tem problemas de gastrite ou úlcera deve tomar cuidado ao consumi-la, pois, uma pequena dose pode irritar ainda mais as paredes do estômago ou intensificar os sintomas da hemorroida”, explica a nutricionista da Unifesp Carla Fiorillo.

chilepeppers

Novo medicamento contra câncer de pele desperta esperanças em especialistas

Comercialização do fármaco Pembrolizumab foi aprovada em 4 de setembro pelo FDA

Os especialistas em câncer de pele possuem expectativas positivas após a recente aprovação que o FDA ( agência regulatória de alimentos e fármacos dos Estados Unidos) deu para um novo remédio contra o melanoma que “estimula o sistema imunológico”.

Malária, tuberculose e febre amarela podem ser tão perigosas quanto ebola

Infectologista diz que outras doenças matam muito mais que ebola, mas pouco se fala sobre

 

O ebola vem chamando a atenção e deixando os órgãos de saúde internacionais em alerta com situações de epidemia. A taxa de mortalidade e a crescimento geográfico do vírus do ebola vem assustando pessoas no mundo todo. De acordo com balanço anunciado pela diretora da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, até esta sexta-feira (12) foram identificados 4.784 casos. Assim como o ebola, outras doenças – que já possuem altas taxas de mortalidade – também teriam potencial para gerar epidemias perigosas, se forem negligenciadas.

Conheça mais sobre linfomas

Hoje, dia 15 de setembro, é promovido o Dia Mundial Dia Mundial da Conscientização sobre Linfomas.

O sistema linfático é composto por órgãos, vasos e tecidos linfáticos e pelos linfonodos (popularmente conhecidos como ínguas), que se distribuem em posições estratégicas do corpo para ajudar a defendê-lo de infecções. Esse sistema produz e transporta os glóbulos brancos, células que combatem as infecções e participam do sistema de defesa do organismo.

Nova droga bloqueia gene que conduz o crescimento de vários tipos de câncer

Testado em ratos, composto foi capaz de atingir o tecido e parar o desenvolvimento do tumor

Célula de câncer: atingir a proteína pode ser um novo conceito na criação de medicamentos - Latinstock

Célula de câncer: atingir a proteína pode ser um novo conceito na criação de medicamentos – Latinstock